Equipe Curatorial / 9ª Bienal do Mercosul

Na última segunda-feira, 13 de agosto de 2012, a Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul apresentou a curadora-geral da 9ª Bienal do Mercosul, a mexicana Sofía Hernandez Chong Cuy, que por sua vez anunciou os nomes queirão compor a equipe curatorial para a próxima edição da Mostra. Participam três curadores brasileiros, Mônica Hoff, Bernardo de Souza e Julia Rebouças, além de três curadores internacionais, Raimundas Malašauskas (Lituânia), Sarah Demeuse (Bélgica) e Daniela Pérez (México). A equipe conta também com um conselheiro pedagógico, Dominic Willsdon (Reino Unido).

A notícia foi propagada ao público de Porto Alegre, Brasil, por meio de sinais de fumaça vindos da Usina do Gasômetro – um dos principais espaços culturais da cidade, e que abrigará exposições da 9ª Bienal entre setembro e novembro de 2013. Na ocasião, Sofía também apresentou as linhas gerais do projeto curatorial para a Bienal. Clique aqui para baixar o arquivo “Promessas: Declaração da Curadoria”. Para imagens do evento em alta resolução, acesse aqui.

O foco da proposta curatorial para a 9ª edição da Bienal do Mercosul é a interação entre natureza e cultura, arte e tecnologia. Composto de quatro instâncias – exposições, projeto pedagógico, projeto editorial e comunicação – aproposta considera as causas e fenômenos naturais que impulsionam viagens e deslocamento humano, avanço tecnológico e desenvolvimento mundial, expansões verticais no espaço e explorações transversais ao longo do tempo.

A 9ª Bienal do Mercosul será inaugurada em 13 de setembro de 2013. A princípio, estão previstas quatro exposições principais, que serão apresentadas em locais como a Usina doGasômetro, o MARGS – Museu de Arte do Rio Grande do Sul e o Santander Cultural. Outros espaços abrigarão exposições e obras específicas, e serão divulgados nos próximos meses. Está prevista a participação de cerca de 90 artistas de diversos países—considerados no projeto como visionários do passado, do presente e do futuro.

Os sinais de fumaça que marcaram o início dos trabalhos para a 9ª edição fazem parte das estratégias de comunicação intrinsecamente ligadas ao conceito curatorial: ao utilizar formas rudimentares de comunicar-se com o público, a curadoria da Bienal quer discutir astransformações históricas na tecnologia da comunicação através dos séculos – dos sinais de fumaça ao Twitter. Dessa forma, a informação sobre a 9ª Bienal será lançada, difundida e experimentada em diferentes canais de mídia, entendidos no projeto como ferramentas de mediação criativas entre conteúdos, formatos, instituição e público da Bienal.

Para a presidente da 9ª Bienal do Mercosul, Patricia Fossati Druck, esse é um grande momento, pois a Bienal torna públicos aspectos muito importantes que marcam o início dos trabalhos para a realização da próxima edição daMostra: “é com grande alegria e entusiasmo que estamos anunciando a equipe curatorial que vai trabalhar para termos mais uma Bienal de muito êxito. O projeto agora está em fase de orçamentação e estamos trabalhando para que empresas e organizações aportem recursos, apoiem e participem desse que é um dos eventos artísticos e culturais mais importantes da América Latina”, diz.

Seja trabalhando independente ou institucionalmente, todos os membros da equipe curatorial estão constantemente em contato com artistas e intelectuais e tem sólido conhecimento de história da arte e teoria cultural, assim como forte compromisso com a educação e experiência na organização de grandes projetos queenfatizam tanto a intenção artística quanto a participação do público.

A equipe curatorial forma uma estrutura de três bases, trabalhando em conjunto para criar uma sinergia de conceitos e formas para a 9ª Bienal do Mercosul. O primeiro pilar é a Direção Artística, sob a responsabilidade da curadora-geral Sofía Hernandez Chong Cuy, cuja função é prover todo o conceito e direção do evento, formando a equipe curatorial, determinando os conteúdos programáticos e oferecendo suporte ao projeto e à equipe.

No segundo pilar, estão três curadores: Mônica Hoff, Curadora de Base, que estará responsável por conceber a visão, as ideias e os métodos para o programa pedagógico da 9ª Bienal do Mercosul e sua implantação; Raimundas Malašauskas, Curador do Tempo, que vai desenvolver conteúdos para as exposições e participar da seleção de artistas e da criação de projetos especiais; e Bernardo de Souza, Curador do Espaço, que será responsável pela pesquisa e desenvolvimento de novos projetos com artistas, além de dar suporte à concepção dasexposições.

O terceiro pilar está formado por um grupo de curadoras colaboradoras, intituladas Curadoras da Nuvem, que trabalharão para reforçar as pesquisas curatoriais e pedagógicas, além de desenvolver projetos editoriais, promover a interlocução com os artistas, apresentandomúltiplas perspectivas e aspectos para o projeto. São elas: Sarah Demeuse, Daniela Pérez e Júlia Rebouças. Deste grupo participam também um Curador Pedagógico da Nuvem, Dominic Willsdon, que vai colaborar com os aspectos pedagógicos da Mostra, propondo ações de mediação, oficinas e ferramentas para a programaçãoeducativa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: